terça-feira, 13 de julho de 2010

Você sabia? (Teatro Ouro Verde)

O segundo post desta seção, trará o Cine Ouro Verde. "Não é Teatro Ouro Verde? Ou é Cine-Teatro Ouro Verde?" - independente da classificação, é um patrimônio arquitetônico, histórico e cultural de Londrina. E patrimônio mesmo! Afinal, em 1998, foi tombado pelo governo estadual.

Cine Ouro Verde é um projeto de 1948, foto de Yutaka Yasunaka










O cinema era um dos mais luxuosos da época no país, foto de Yutaka Yasunaka

















Mas vamos esclarecer a dúvida lançada no começo... Inicialmente, quando foi inaugurado, no final de 1952, o Ouro Verde era um cinema. Na época, o cinema era moda nas grandes cidades brasileiras, só em Londrina ali na av. Paraná (atual Calçadão) havia mais de 10 salas e todas de grande porte. Hoje, temos apenas as 7 salas do Catuaí Shopping e 1 sala do Com-tour Shopping, mas são pequenas comparadas às antigas salas de cinema, a máxima capacidade dessas atuais é de 400 pessoas. Em Sampa, por exemplo, há cinemas antigos fechados com capacidade para até 3 mil pessoas! O Cine Ouro Verde foi o primeiro cinema do interior do país a ter poltronas de couro e ar-condicionado, tinha capacidade para 1500 pessoas.

Assim, com o tempo, a moda do cinema foi caindo e os espaços dos cinemas passaram a ficar ociosos. Isso aconteceu por causa da difusão da televisão na casa dos brasileiros. Muitas salas foram demolidas, algumas viraram galeria (por isso, o nome daquela galeria de lojas no Calçadão é Cine Augustus) e outras mudaram o seu uso, como o Cine Vila Rica, que virou cursinho escolar por um tempo e, hoje, encontra-se fechado. Aliás, o Cine Vila Rica era também uma dessas enormes salas, mas como disse anteriormente, por causa da falta de público e da crescente produção de filmes, ele foi dividido em 2 salas (quem cresceu em Londrina na década de 90 e não se lembra das salas "Vila Rica" e "Londrina"?).

O Ouro Verde reinventou-se e passou a ser teatro. Para isso, precisou de várias modificações na sua estrutura original, projetada pelos famosos Arquitetos João Batista Vilanova Artigas e Carlos Cascaldi (autores também da antiga rodoviária, atual Museu de Arte). O cinema fazia conjunto com o ed. Autolon e no jardim entre eles havia o Restaurante e Confeitaria Calloni. Atualmente, o jardim do Calloni virou uma loja de descontos, o Calloni virou depósito e vestiário da loja Pura Mania no térreo do ed. Autolon, que continua lá na esquina da r. Maranhão (Calçadão) com r. Minas Gerais. Vale lembrar que só o Ouro Verde é tombado e agora ele possui capacidade para 853 pessoas.

Ouro Verde à esquerda, ed. Autolon à direita e Restaurante Calloni no jardim entre eles, foto de autor desconhecido










Situação atual do jardim entre o Ouro Verde e o ed. Autolon, na r. Maranhão,  foto de Márcia Kurossu













Assim, o Ouro Verde é um teatro. Palco de inúmeros espetáculos e a principal casa do Filo, o Festival Internacional de Londrina, principal evento cultural da cidade e um dos mais respeitados festivais de teatro do país (existe há mais de 40 anos, mas isso fica para um próximo post). Abriga também o Festival de Música de Londrina - FML (ver post "Senhoras e senhores... o FML começou!"), e o Festival de Dança de Londrina.

A UEL, através do governo estadual, comprou o Ouro Verde em 1978 e, desde então, cuida de sua programação e de sua estrutura. Ele foi erguido pelos empresários da cidade, Sr. Celso Garcia Cid, Sr. Jordão Santoro e Sr. Ângelo Pesarini. O nome, logicamente, veio por causa dos tempos áureos do café na cidade. A última revitalização foi em 2002.

Detalhe da fachada e dos pilares avançando sobre o passeio público, foto de Márcia Kurossu





















Fachada atual sem modificações do projeto original, foto de Renata Reis

5 comentários:

Diego disse...

Poxa mew...
Que legal o post.
Vc sabe que eu me apaixonei por esta cidade assim que cheguei.
Desisti de voltar para Sampa como tempo. E agora que vou ter que mudar para Curitiba me dá até um aperto no peito.
E eu não tinah nem noção do jardim e do restaurante. Eu sabia só de uma casa de chá que tinha no autlon. Vc podia conseguir uma imagem dela hein!
Bom...fui...
Abração Sr Nagao
Não vejo vc há mil anos hein!
Diego

Marcel disse...

Nossa, Diego! Q surpresa boa! :-D

Puxa, vai embora de Londrina? Mas agora vc pode acompanhar e matar saudades da pequena Londres pelo blog! Hehe... Chama pra marcarmos uma despedida!

Então, respondendo a sua colocação... na real, o restaurante Calloni era o café/casa de chá. A gente fala restaurante, mas era uma confeitaria ali. Em um outro post vou falar sobre o ed. Autolon.

Íris Perfetto disse...

Triste que o complexo do Ouro Verde não foi tombado por inteiro. Mas felizmente vão preservar a calçada - de petit pavet - nesta quadra.

Parabéns pelas citações em outros blogs.

Anônimo disse...

e quanto ao autolon? não é posswivel tombalo após uma restauração

ocpjpr disse...

É uma pena ter pego fogo...