domingo, 28 de agosto de 2011

"Eô, eô... o Tubarão voltô...!"

Hoje, foi mais um dia histórico para o Tubarão!
Para quem ainda não sabe, "Tubarão" é o apelido do Londrina Esporte Clube, o LEC. Time de futebol que representa a cidade há 55 anos. E tem também a Falange Azul, que é a torcida organizada do clube desde 1992.
O "Tuba" venceu e é o campeão da segundona do Campeonato Paranaense! Já garantido para a primeira divisão desde o jogo do fim-de-semana passado, assim, o azul-celeste volta a orgulhar Londrina.

E, pra manter a tradição, a av. Higienópolis ficou fechada para a comemoração de novo. Estava passando por lá e resolvi registrar o momento, mostrando que um time local tem ainda muita força contra os grandes da capital, ou também os do "Eixão". Foi uma festa muito bonita, com vários carros e torcedores cantando em uma só voz o hino do time e bordões mostrando o amor e carinho pelo futebol local, além de várias bandeiras carregadas por crianças, jovens, famílias, etc... Apesar da bebida alcoólica presente na mão de quase todo torcedor, a festa não teve nenhum incidente. Confira:

As glórias do passado trazem expectativa aos novos e velhos torcedores, foto do autor








Festa comemorando o título fecha a av. Higienópolis, tradicional reduto de comemorações futebolísticas e políticas, foto do autor





Pés-vermelhos demonstrando todo o seu amor ao time que mesmo com todas as dificuldades do passado, mostrou que pode representar a cidade e ainda tem apoio popular, foto do autor

sábado, 27 de agosto de 2011

"15 vereadores"

Hoje, foi mais um dia de coleta de assinaturas para o abaixo-assinado propondo a redução do número de vereadores em Londrina!

A Associação Amigos de Londrina pretende colher 40mil assinaturas e já tinha até sexta-feira mais de 20mil só ali no Calçadão. Ainda havia listas em igrejas, associações, entidades, etc... que precisavam ser somadas e ter um número final, assim, levar até a Câmara de Vereadores como pressão popular.

A proposta é reduzir dos atuais 19 para 15 vereadores. Conforme já comentado pelo blog, o Congresso Nacional aprovou no ano passado uma Lei que refaz o cálculo do número de vereadores nos municípios brasileiros, assim, Londrina poderia ter até 25 parlamentares... A Câmara Municipal pretende aumentar para 21 vereadores justificando que o excesso de trabalhos sobrecarrega o funcionamento da casa... Já a ACIL (Associação Comercial e Industrial de Londrina) e outras entidades fecharam em manter os 19 vereadores.

MAS, a luta deste abaixo-assinado é para reduzir porque vimos que os atuais 19 não estão tendo a qualidade esperada, já que alguns repetiram os mesmos erros da legislatura passada com tráfico de influência e muitas denúncias de corrupção... Então, a conta é simples, com menos vereadores, fica mais fácil de controlar e os trabalhos terão mais celeridade também.

Infelizmente, o abaixo-assinado termina neste domingo, mas durou 1 semana para os londrinenses demonstrarem apoio a causa. Agora, é esperar a decisão dos vereadores e continuarmos na pressão para que a casa considere a proposta popular.

Em mais um dia de abaixo-assinado no Calçadão, muitas pessoas apoiando a causa, reflexo de uma população insatisfeita com o legislativo municipal, foto do autor

Apesar de poucos envolvidos na organização, mais de 20mil assinaturas já foram colhidas, a força popular pode e deve ser considerada pelos nossos representantes, foto do autor

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Ponto de vista de um londrinense... (3)

Fiquei um tempinho sem publicar posts, mas foi algo temporário apenas, ok? É que minha vida teve novas reviravoltas nessa semana que passou e agora estou realinhando tudo de novo...

Continuando... recebi um e-mail do Engenheiro Cláudio Espiga, morador ilustre de Londrina e bastante ativo com ações que visam melhorar a vida dos londrinenses. Tive a oportunidade de conhecê-lo e admiro o seu engajamento com a nossa cidade. Assim, resolvi colocar aqui o texto reproduzido por ele chamando a todos nós para um abaixo-assinado propondo a redução do número de vereadores.
É que a Câmara de Vereadores irá votar neste ano se aumenta ou não o número de cadeiras por conta de uma Lei aprovada pelo Congresso Nacional no ano passado, que permite o aumento de vereadores em todas as cidades do Brasil... Resumindo, Londrina possui hoje 19 cadeiras e pode aumentar para até 25 de acordo com esta nova Lei... Porém, esta mesma votação pode também diminuir o número de parlamentares e é isso que não só este morador, mas várias entidades de classe estão propondo, como a ACIL (Associação Comercial e Industrial de Londrina) e a SRP (Sociedade Rural do Paraná), duas das maiores e principais representações da cidade.
O blog Janela Londrinense apoia a causa e também não vejo necessidade em aumentar o número de vereadores e acredito que uma redução possa ser exemplo para todo o país, SIM! Nas duas últimas legislaturas, só provaram que o aumento é mais do que desnecessário... várias escândalos de corrupção surgiram, erros do passado sendo cometidos novamente na maior cara-de-pau e falta de vergonha dos mesmos!

É a hora de colocarmos um BASTA nisso!!! Ajude a divulgar a lista! Imprima a imagem e distribua no trabalho, elevadores de prédios, portarias de condomínios, fábricas, lojas, etc...! Londrina precisa disso para renovar a forma de fazermos política e ser o exemplo para todo o país! Podemos ser a 40ª em população no Brasil, mas somos a 4ª do Sul e a 2ª do Paraná, temos um peso político muito forte por conta disso e com certeza precisamos recuperar a auto-estima da população que está descrente com o Poder Público... acredito também  que isso é responsável pela eleição de um certo você-sabe-quem há alguns anos...! Portanto, confira:

Menos vereadores

Já recebi inúmeras vezes mensagens propondo boicotes às eleições, pedindo para anular o voto, falando que políticos ganham sem trabalhar, falando que na Europa o salário de deputado é menor, que lá eles não têm mordomia... e por aí vai.

Agora é sua vez de demonstrar que você está cansado de sustentar tanto político, tanto aspone, tanta mordomia. Vamos começar dentro da nossa casa, Londrina.

Um vereador de Londrina custa R$ 18.545,31 por mês. Isso equivale a QUATRO MÉDICOS, ou QUATRO ENFERMEIROS, ou DOZE PROFESSORES!!!

Diminuindo para 15, ao final de um ano poderá ser CONSTRUÍDA UMA UTI DE 500m² ou TRÊS CRECHES DE 300m²!!!

O ORÇAMENTO DA CÂMARA PODE DIMINUIR, SIM!

São Paulo tem 1 vereador para cada 200.000 habitantes.
Rio de Janeiro tem 1 vereador para cada 124.000 habitantes.
Belo Horizonte tem 1 vereador para cada 58.000 habitantes.
Curitiba tem 1 vereador para cada 46.000 habitantes.
Porto Alegre tem 1 vereador para cada 41.000 habitantes.

Com a nossa proposta Londrina terá 1 vereador para cada 34.000 habitantes. Mesmo diminuindo para 15 ainda é muito melhor que a deles!!!

Vamos dar um basta! Vamos diminuir para 15!

Londrina pode dar este exemplo ao BRASIL.

AGORA É COM VOCÊ! FAÇA A SUA PARTE!

Imprima o anexo, pegue a assinatura dos seus vizinhos, dos seus amigos... e leve até a Banca dos Amigos de Londrina, que fica no Calçadão com a Praça da Bandeira (a partir de 20-08 e até 27-08, sábado).

...OU NOS CONFORMAMOS...!

Associação Amigos de Londrina


quinta-feira, 11 de agosto de 2011

"Lei da Muralha"... o quê é?

Recentemente, muito está sendo falado sobre a "Lei da Muralha", que deixa as entidades comerciais de cabelo em pé!

Vamos lá... afinal, do quê se trata???

A Lei nº 9869/2005 e a Lei 10.092/2006, popularmente apelidadas de "Lei da Muralha", restringem a implantação de grandes empreendimentos comerciais na área central da cidade e visa controlar a ocupação de polos geradores de tráfego, mais especificamente, os super e hipermercados. Há o viés também para garantir a sobrevivência do comércio de pequeno porte, como quitandas, açougues, conveniências, etc...
Alguns dizem que isso vem da polêmica negociação mal sucedida do Wal-Mart no terreno do antigo Colossinho, na r. Quintino Bocaiúva esquina com r. Santos. Lembram disso? Na época, o referido grupo queria instalar uma unidade na cidade e lá seria o terreno ideal, porém importantes empresários do grupo-você-sabe-qual fizeram um lobby na Prefeitura e exigiram que o ex-prefeito-você-sabe-qual declarasse aquele terreno de utilidade pública, assim, inviabilizando a venda... logo depois, o Wal-Mart alugou todos os outdoors que estavam instalados ao redor do referido terreno - abandonado há décadas - e publicaram inúmeras frases de efeito escancarando para a população a falcatrua que foi feita ali... Detalhe que anos depois venderam tudo pra uma construtora, que já lançou 4 torres residenciais no local, né?? #fail
MAS, controvérsias à parte... a Lei pode ser polêmica e ter tido alguns interesses obscuros no passado, mas é até certo ponto benéfica para o município, SIM! Pois, analisando do ponto de vista da malha urbana de Londrina, a região do quadrilátero central não foi planejada para grandes empreendimentos mesmo... PORÉM, nada que uma análise de EIV (Estudo de Impacto de Vizinhança) ou, em alguns poucos casos, de EIA (Estudo de Impacto Ambiental), possa resolver a questão sobre determinado empreendimento de grande porte ser instalado em tal local ou não...! ENTRETANTO, sabemos também que a Prefeitura não possui técnicos adequados e nem suficientes para fazer estas análises imparcialmente, então, poderiam sofrer severas pressões e alterarem dados a favor ou não de referido setor.
2 coisas importantíssimas que devem ser contextualizadas melhor para a população... EIV e EIA integram parte dos instrumentos criados no Estatuto das Cidades, importante ferramenta de planejamento urbano que trouxe um enorme avanço no trato das relações urbanísticas no Brasil. Esses estudos - a grosso modo - devem ser feitos sempre que uma atividade causar alguma mudança significativa no modo de ocupação de determinada área ou que uma região importante a ser preservada possa sofrer algum impacto.
Então, qual a solução? Manter a Lei impedindo ou abrir para todos desde que haja um EIV ou EIA??? Na Europa e nos EUA, existem leis que restringem atividades de grande porte dentro de determinados perímetros urbanos, justamente por já terem visto há anos o impacto que essas atividades causam no comércio de rua, que gera mais movimento e emprego. Grandes geradores não precisam estar próximos às áreas de movimento e, sim, no caminho dos deslocamentos! #ficaadica

Grandes empreendimentos trazem benefícios para a cidade ao ofertar mais produtos e preços aos consumidores, porém não podem estrangular o comércio de rua que tem o seu potencial e importância na história e vida urbana de Londrina






Instalados às margens de rodovias ou em importantes eixos viários são as opções mais viáveis do quê em pequenos acessos ou ruas estreitas só pelo comodismo de estar perto do mercado consumidor, visões distorcidas e fechadas de uma atividade comercial ainda em expansão





Confesso que não sei exatamente qual o perímetro delimitado pela Lei, mas acredito que uma REVISÃO possa ser mais interessante do que uma REVOGAÇÃO...! Pois, além da polêmica com os horários de abertura do comércio de rua (ver post "Horário do comércio... outra celeuma, hein???"), este outro item também pode trazer alguns malefícios para esta atividade. Precisamos de pensadores mais ativos neste assunto na cidade... e pararmos também com a pirotecnia de fatos e versões! A discussão está sendo levada pelo mero achismo e com pessoas interessadas financeiramente com a questão (de ambos os lados). Ou seja, vai dar m...rda!!!
O Super Muffato (o tal "referido grupo") estaria protegido da concorrência direta porque já estava dentro da "muralha", antes da Lei. E as outras redes não conseguem entrar, como o Condor que comprou um terreno milionário dentro da "muralha", mas não pode construir... isso que é apostar na sorte, hein?
Fotos de autores desconhecidos.

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Horário do comércio... outra celeuma, hein???

Segunda-feira, dia 8 de agosto, foi realizada uma audiência pública na Câmara de Vereadores envolvendo sindicatos e entidades ligadas ao comércio de Londrina. O objetivo era discutir o novo horário de abertura do comércio de rua por conta da aprovação do novo Código de Posturas, parte integrante do novo Plano Diretor da cidade (ver post "Horário do comércio... qual a dúvida?").

Sendo bastante direto... NÃO entendo o problema nisso AINDA...!

O Sindicato dos Empregados no Comércio de Londrina (Sindecolon) acha que essa medida irá explorar os funcionários, pois os empresários irão abusar das horas extras... até parece que o Brasil não possui um Código de Leis Trabalhistas (CLT) super rigoroso e que sempre protege o empregado, NÉ??? Se houver exploração, basta fazer a denúncia porque emprego não vai faltar com a extensão dos horários, afinal, a própria CLT coloca que o brasileiro pode trabalhar no máximo 44horas semanais, além de outros benefícios para quem trabalha aos domingos ou faz horas extras... assim, muitas lojas terão que contratar mais pessoas para preencher a nova grade horária, é BÁSICA essa conta! Isso JÁ acontece nos shopping centers!!! A Associação Comercial e Industrial de Londrina (ACIL) em conjunto com o Sindicato do Comércio Varejista de Londrina (Sincoval) defende a mudança para preservar a competitividade do comércio de rua e, inclusive, dos empregos!!!

Esse é outro detalhe que o sindicato "solidário com a causa trabalhista" está esquecendo... Vai abrir outro shopping center ali no Centro, o Londrina Boulevard Mall, que fica no terreno da antiga Anderson-Clayton, na rotatória da rodoviária. Ou seja, um importante concorrente com o comércio de rua daquela região - apesar do foco em públicos diferentes, terá um potencial de atração significativo. Outro ponto é que nesta semana também foi anunciada a venda de 70% do Grupo Catuaí para a empresa BRMalls, uma das maiores empresas de shopping centers do mundo!!!
Controlando, assim, o Catuaí Shopping Londrina e o - ainda em construção - Londrina Norte Shopping, além das unidades fora da cidade, Catuaí Shopping Maringá e - ainda em aprovação - Catuaí Shopping Cascavel.
Ou seja, considerando que o Londrina Boulevard Mall é do grupo Sonae-Sierra, outro gigante do setor varejista no mundo, teremos uma briga de "cachorro grande" na cidade! Entããão, o comércio de rua terá mais um ponto contra... A previsão de inauguração de 2 shopping centers de grande porte na cidade é saudável para o comércio de rua desde que ele também possa competir com igualdade, pois além do horário de abertura semelhante, era bom também haver requalificação dos espaços físicos!
Há o projeto "Nova Sergipe" em andamento na ACIL em conjunto com o Sebrae, mas ainda é muito pouco... praticamente, resume em trocar piso de calçada e colocar mobiliário urbano pontualmente pela rua de mesmo nome... A reforma do Calçadão também seria outra iniciativa, mas está longe de ser um exemplo significativo por conta da descaracterização daquele espaço público... Porém, ainda temos inúmeras outras ruas e avenidas comerciais na cidade, como a av. Higienópolis, av. Maringá, av. Saul Elkind, av. Inglaterra, av. Arthur Thomas, etc...

Catuaí Shopping foi vendido recentemente ao maior grupo de shopping centers do país e está construindo outra unidade de grande porte na cidade

Londrina Boulevard Mall pertence a um importante grupo de shopping centers do mundo, briga de "cachorro grande" na cidade e o comércio de rua ficando a mercê novamente por interesses desalinhados






Então, a questão a ser analisada aqui tem que levar em consideração a capacidade de competição do comércio de rua (não planejado) versus o comércio de shopping centers (planejado). A gerência de ambientes planejados é muito mais qualificada para atender ao consumidor e  pouco poderá ser feito sem um plano de gestão para os comerciantes de rua. Entendo também que tudo isso não é necessariamente uma iniciativa da Prefeitura, mas que o Poder Público pode incentivar os projetos de requalificação urbana e paisagística dos espaços físicos... e, pelo menos, tentar unir os comerciantes e não causar desunião entre as classes com discussões sem sentido, vulgo, CE-LEU-MA!
Na capital paulista há uma lei que visa isso e já possui 8 ruas contempladas com o benefício - ou em processo de contemplação, como r. João Cachoeira, r. Avanhandava e a famosa rua de alto luxo, r. Oscar Freire.
Durante o meu Trabalho Final de Graduação (TFG) na faculdade (é a mesma coisa que o TCC, mais conhecido em outros cursos), estudei bastante sobre a atividade comercial e suas relações com o espaço urbano e os usuários (consumidores e comerciantes), e utilizei a região das ruas Paranaguá, Santos e Belo Horizonte para fazer as análises e aplicar a proposta de intervenção (ver post "'Jardins' de Londrina..."). Uma das conclusões foi de que as redes de franquias possuem poucas opções de instalação na cidade, pois utilizam criteriosos processos de implantação e, basicamente, estão restritas a essa região do Centro ou ao Catuaí Shopping...! Futuramente, terão também o Londrina Boulevard Mall e novamente o comércio de rua sai perdendo com o setor ficando sem opção para competir!!!

Comerciantes do Centro perdem com a falta de união e planejamento integrado, necessitam de orientação e apoio para sobreviver, ficando mais competitivos










Por isso, principalmente, sou a favor de estender o horário do comércio...! É uma questão de sobrevivência e, analisando outros aspectos, também de valorização do espaço público, que passaria a ter seu potencial de infraestrutura mais utilizado pela população com a extensão dos horários de funcionamento!!! Isso sem falar ainda nos hábitos de consumo que mudaram, na vida contemporânea que impede trabalhadores de outros setores fazerem compras durante a semana, etc...

E vamos parar com essas "visões sócio-esquerdistas-anarquistas" de lutas de classe e falar SERIAMENTE...!? Já deu, NÉ??? Envolveram até a igreja católica no meio dessa CELEUMA! #FAIL

Fotos e imagem de autores desconhecidos.

terça-feira, 9 de agosto de 2011

40.000 acessos!

Hoje, dia 9 de agosto, o Janela Londrinense atingiu a marca dos 40.000 acessos!

Após pouco mais de 1 ano e 1 mês, o blog continua com a média de acessos, mesmo com o recesso de quase 2 meses (ver post "Voltamos a apresentar..."). Assim, o objetivo agora é ampliar o alcance, mas sempre mantendo a proposta de posts analíticos, críticos ou expositivos, onde o leitor também pode opinar através de um tema pré-lançado por mim (contendo uma opinião minha ou não...).

Aproveito este momento para fazer alguns agradecimentos...

Novamente, agradeço a todos que participaram da promoção do aniversário de 1 ano do Janela (ver post "Promoção: 'Olhares londrinenses...'"), que foi feita justamente para marcar o retorno das publicações e presentear aos que continuaram apoiando e recomendando o blog!

Dentre esses 40 mil acessos, tive importantes contatos com setores da sociedade civil organizada e da administração pública, que vieram até mim por conta da recomendação de leitores! Então, novamente agradeço aos que utilizaram desta ferramenta para atingirmos quem pode fazer algo pela nossa cidade!

Continuando... em breve, farei mudanças no lay-out e colocarei outras ferramentas de interatividade e, assim, ampliar a participação de todos ao alcançar mais formadores de opinião, acrescentando e tranformando este espaço em uma janela online onde os leitores possam opinar somando ao debate.

Aliás, gostaria de reforçar o pedido para que fiquem à vontade para sugerir temas para o blog! Basta enviar no meu e-mail ou comentar em algum post mesmo, pois sempre estou acompanhando a movimentação, ok?

A proposta é Londrina sempre em foco e, logicamente, a área de abordagem principal é referente a minha formação acadêmica, Arquitetura e Urbanismo. Mas, comento também sobre as outras áreas que sofrem influência direta, como história, cultura, política e cotidiano... Afinal, uma cidade é feita da sua pluralidade, seja de povos e culturas, como de temas que a condicionam.

Então, resumindo... sou MUITO grato a todos vocês, pés-vermelhos!

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Nova polêmica no Calçadão...

E, de novo, a reforma do Calçadão causa polêmica...

Antes, era a desconfiguração do piso em petit-pavet, substituído pelo pavoroso paver (ver post "Calçadão... saudades ou progresso?"), e agora é o corte das árvores no trecho entre r. João Cândido e av. São Paulo, incluindo a Praça Gabriel Martins... A polêmica é porque ali existiam frondosos ipês-roxos e algumas sibipirunas, árvores de grande porte e plantadas há muitas décadas...

Trecho em frente ao Banco do Brasil, na Praça Gabriel Martins, já está sem as árvores, que não foram contempladas no projeto urbanístico... faltou projeto paisagístico? Londrina sempre na vanguarda, né... foto de Roberto Custódio







Um vídeo no Youtube está com bastante repercussão e mostra os funcionários da Visatec cortando as árvores e alguns transeuntes indignados... Inclusive, já foi tema de reportagem nos principais meios de comunicação locais, como Folha, JL, ParanáTV, odiario.com, Londrix, etc...
A Visatec é a empresa responsável pelas obras deste e dos outros trechos, e que segundo o prefeito Barbosa Neto (PDT), há alguns meses, nunca mais iriam executar qualquer obra na cidade por conta dos problemas com o viaduto da av. Ayrton Senna na PR-445... enfim, NÉ? Só pra constar, a referida construtora é de Faiçal Janani, irmão do saudoso ex-deputado federal José Janene (ver post "José Janene falece em São Paulo..."), e responsável pela maioria das obras públicas da cidade...
O assunto é polêmico e não há consenso entre IPPUL (Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Londrina), que fez o projeto de reforma do Calçadão, e a Sema (Secretaria de Meio Ambiente), que apenas concordou com a retirada das árvores. O novo projeto urbanístico está pronto desde 2008 e não contemplava as árvores porque - segundo um interlocutor da Prefeitura - acreditavam que são desnecessárias, pois os prédios já fazem sombra suficiente no passeio público... Como se árvores tivessem só esta finalidade, NÉ??? #FAIL

Outra justificativa é de que as árvores de grande porte existentes ali não são adequadas para aquele espaço, então, serão substituídas por espécies de pequeno e médio porte, como os ipês-amarelos... Agora, SIM, uma justificativa "aceitável"!!! Porém, discordo um pouco porque a Praça Gabriel Martins tem espaço para árvores de grande porte e poderia ter um projeto paisagístico mais adequado, que contemplasse a amplitude dali... Ah, e parece que está prevista outra fonte neste trecho! Tomara que dessa vez nivelem corretamente, né... e parece também que não terá mais a Academia ao Ar Livre, que foi uma das maiores idéias de jegue do UNIVERSO (ver post "AAL...")!

Retirada das pedras portuguesas revelaram o antigo desenho do piso da Praça Gabriel Martins, que data do início da década de 70... aliás, este material é reaproveitável e ninguém sabe o quê foi feito com ele até agora nos 3 trechos nos quais foi removido... foto de Gilberto Abelha





As obras deste trecho possuem prazo de conclusão até outubro e o secretário de obras, Agnaldo Rosa, garante que não avançará pelos meses seguintes, motivo de maior preocupação dos comerciantes por conta das vendas de Natal...
Os outros trechos ainda não possuem previsão de início, mas aparentemente será preservado o trecho entre a av. Rio de Janeiro e r. Minas Gerais, pois após muitas discussões e protestos de entidades, decidiram preservar o desenho do antigo piso com o petit-pavet ali por conta do tombamento do Teatro Ouro Verde (ver post "Você sabia? (Teatro Ouro Verde)"). Estão considerando também estender o Calçadão até a r. Mato Grosso, assim, incluindo o Royal Plaza Shopping, um dos maios polos geradores de tráfego da região central.
Outra questão interessante para ser levantada... o quê está sendo feito com as pedras portuguesas? O material do antigo piso do Calçadão é caro na construção civil e facilmente reaproveitado... CADÊ???

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Lei Cidade Limpa... saiba mais!

Lendo algumas reportagens, resolvi publicar duas falas de importantes personalidades que estudam e trabalham com o assunto "paisagem urbana", fazendo parte de uma reportagem do JL, do dia 16 de julho. Nela, a Profª. Arquiteta e Urbanista Maria Luiza Grassiotto comenta sobre os estilos arquitetônicos do passado da cidade que começaram a aparecer novamente e faz uma crítica ao modo como a Lei foi criada. Assim, na réplica, a Diretora de Patrimônio Histórico da Secretaria de Cultura de Londrina, a Arquiteta e Urbanista Wanda Moraes, responde dando uma alfinetada nos profissionais da cidade. Vale a pena ler para refletir melhor sobre o assunto, que ainda gera polêmica e desentendimentos...

"Houve poucos técnicos que trabalharam na lei. Assim, as fachadas estão ficando desproporcionais. Sem contar que a comunicação visual atual é completamente diferente da época da construção dos edifícios mais antigos, deixando as fachadas desproporcionais. Se antes o feio era o exagero, agora é a falta de harmonia."
Maria Luiza Grassiotto
Arquiteta e Urbanista, professora doutora do curso de Arquitetura e Urbanismo da UEL

"Agora é a hora da criatividade dos profissionais aparecer. Não há uma regra que determine que todas as fachadas devem ser iguais. A lei é bem-vinda e traz a possibilidade de inovação. Um exemplo, nada impede que o comerciante crie um projeto arquitetônico para esconder um ar-condicionado que está na marquise. Ele só não pode usar esse artifício para fixar publicidade."
Wanda Moraes
Arquiteta e Urbanista, diretora de patrimônio histórico da Secretaria de Cultura de Londrina

Neste post decidi também colocar links para todos os outros textos que já foram publicados aqui no Janela. O blog tem um enorme conteúdo de imagens, exemplos e explicações sobre o tema, pois além da minha formação em Arquitetura e Urbanismo, fui chamado para participar de algumas reuniões com a Comissão Técnica da Lei Cidade Limpa, que trata dos casos omissos e discute dúvidas (inclusive, o convite foi feito justamente por causa das indicações dos leitores). E também, durante a faculdade, acompanhei a transformação ocorrida na cidade de São Paulo e produzi um artigo em um trabalho acadêmico. Assim, sempre tentei explanar da melhor forma possível o assunto a todos vocês. Confiram:
É o 1º post do blog e tratou sobre a amplitude desse projeto. A Lei é apenas uma parte de um plano muito maior que não está sendo tratado, pois o estudo da questão pelos envolvidos (Prefeitura, IPPUL e CMTU) foi pontual demais... A Lei ainda não tinha sido aprovada pela Câmara de Vereadores.
Neste post comento sobre a aprovação da Lei pela Câmara de Vereadores, mas as informações ainda eram muito desconexas e não havia o texto disponível pela internet... Aproveito para colocar novos questionamentos que deviam ser tratados em conjunto com a recente Lei aprovada, conforme comentado no post anterior.
As informações já chegavam mais coesas e o texto da Lei estava publicado no site da Câmara, assim, publico esse post com as maiores dúvidas que vi sobre a aplicação das novas normas. Por causa disso, o assessor jurídico da CMTU entra em contato comigo e me convida para participar das reuniões com a Comissão Técnica, que discute as dúvidas e os casos omissos da Lei Cidade Limpa.
Assim, participei de uma das reuniões e coloco nesse post as observações sobre como estava a movimentação dos envolvidos - Poder Público e integrantes da sociedade civil organizada, como Sepex, APP, ACIL e CEAL. Publico também as minhas dúvidas do post anterior que foram esclarecidas naquele dia e mais outras colocações feitas pelos outros membros da Comissão.
Este é o 1º post de 2011 e fala novamente sobre a Lei por causa do vencimento do prazo de 6 meses dado pela Prefeitura para os empresários adequarem suas atividades. Aproveito para mostrar os vieses positivos que a Lei Cidade Limpa da capital paulista acabou trazendo indiretamente para aquela cidade e que poderiam muito bem acontecer em Londrina também.
Novamente participo de outra reunião da Comissão Técnica que tinha como pauta aprovar o Decreto Regulamentador da Lei 10.966/2010, a Lei Cidade Limpa. O Decreto esclarece os pontos obscuros da Lei e serve para reafirmar as principais questões, além de obviamente regulamentá-la por causa do vencimento do prazo de adequação.
Aqui, coloco novos exemplos da cidade de São Paulo, trazendo outros benefícios que surgiram indiretamente com a implantação da Lei Cidade Limpa, a original.
Aproveito a notícia recém publicada no site do JL e já lanço para os leitores explicando melhor o quê quer dizer a liminar, alvo de muitas dúvidas e controvérsias entre a própria ACIL, que a fez, e a CMTU... Coloco novas imagens de comerciantes adiantando as adequações com a proximidade do término do prazo.
A Lei passou a valer na madrugada deste dia, mas em partes porque havia a liminar em andamento... Apesar da Prefeitura ter recorrido, ainda não tinha saído a decisão do juiz. Porém, a CMTU interpretou de um jeito e a ACIL de outro, assim, gerou confusão e começaram a fazer notificações. Explico aos leitores o motivo da confusão e apresento como estava sendo a reação dos comerciantes notificados com o famigerado "adesivo preto".
Muitas informações desencontradas sobre a aplicabilidade da Lei começaram a gerar conflitos entre comerciantes, entidades e população. Assim, resumo neste post tudo o quê estava acontecendo, mostrando os pontos de vista de ambos os lados da moeda - poder público e iniciativa privada. Coloco novas imagens com a transformação acontecendo nas ruas da cidade. Vários leitores comentam o texto e aproveitam para tirar outras dúvidas.
Novamente, publico a notícia assim que foi lançada nos sites de jornais da cidade. A Prefeitura, após toda a confusão, decidiu dar desconto no IPTU de 2012 para os comerciantes que reformarem as fachadas. Porém, apesar de muito válido, o projeto (que ainda precisa ser aprovado pela Câmara de Vereadores) pode trazer alguns malefícios se não houver a garantia de profissionais qualificados por trás das reformas, pois muitas das edificações que voltaram a aparecer possuem valor histórico.
Comento sobre outra reunião que participei com a Comissão Técnica da Lei e apresento novidades sobre o assunto, como os projetos "SOS Fachada" e "Nova Sergipe", ambos da ACIL. Aproveito para criticar a falta de representantes técnicos entre os membros da Comissão, que deveriam estar presentes por Lei, como IPPUL, CREA e CEAL.
Outra reunião com a Comissão Técnica, que discutiu assuntos referentes aos patrocínios de fornecedores nas fachadas e às promoções coletivas. Tanto a ACIL, como a CMTU possuem opiniões distintas, assim, nova confusão (a maioria das confusões é por causa do texto mal escrito). O presidente do Sepex aproveita para fazer críticas a CMTU, assim, eu vou no embalo e peço para registrar a falta de membros que deveriam estar presentes e faltaram de novo.
Outra polêmica à vista... O Sepex pede mais prazo de adequação na Câmara de Vereadores, assim, explico melhor a diferença entre os 3 tipos de prazos existentes e como estão as novidades sobre o tema, que ainda estavam muito mornas às vésperas de vencer o prazo finalíssimo!
Ufa... é isso...! Então, continuo acompanhando as novidades e tirando dúvidas dos leitores, ok? Assim como, agradeço quem me passa mais informações sobre o assunto. Logo que aparecer atualizações sobre a Lei, publico aqui no blog.
Outdoors e totens publicitários com os dias contados, sobraram poucos espaços de acordo com a nova Lei, empresários precisarão reinventar suas atividades, foto de Alexandre Sanches
Edifícios art-decó representam o passado recente de Londrina, afinal, a cidade possui apenas 76 anos e ainda não aprendeu a preservar a sua história, a Lei trouxe indiretamente essas edificações à tona e, agora, a cidade precisa valorizá-las adequadamente, foto de Roberto Custódio

Contagem regressiva para os 0ºC...??

Após os termômetros de Londrina registrarem 1ºC no final de junho/começo de julho, as temperaturas voltaram a cair neste começo de agosto, registrando ontem mínima de 3ºC e sensação térmica de 0ºC!!! Este está sendo um dos invernos mais rigorosos dos últimos anos!
Morei em Londrina durante 18 anos e só lembro de tanto frio assim quando era bem criança, há uns 15 anos... acordava pela manhã e via a praça em frente de casa toda branquinha, com o orvalho da noite congelado por cima da grama. Eu, pelo menos, achava muito bonito! Mas, os agricultores acham um terror, obviamente...! Afinal, é um claro sinal de geada...
Falando em geada... Todo mundo sabe que Londrina e o Norte do Paraná cresceram e enriqueceram por causa das plantações de café, dando o título de Capital Mundial do Café para a nossa Pequena Londres, pois aqui era o lugar que mais se produzia café no mundo todo (pra ter uma idéia, todo o café que o Brasil inteiro produz hoje é o quê só Londrina produzia antes). Porém, todo apogeu tem uma queda e a nossa foi quando teve a "grande geada de 75", que queimou todas as plantações da região... sentiram o drama, né?
Mas, resolvi fazer este post apenas pra constatar as baixas temperaturas, motivo de conversa de 12 entre 10 londrinenses... Hehehe... O Simepar (Sistema Meteorológico do Paraná) disse que ainda terá muitas oscilações, com temperaturas mais elevadas em breve, mas que o alerta de geada está ligado e essa semana podemos ver ou, pelo menos, sentir temperaturas negativas!

Rotatória da av. Maringá na transposição do Lago Igapó II, orvalho da madrugada congelado sobre o gramado, cena de inverno com geada, foto de Coutinho Mendes
Aterro do Lago com o gramado congelado, também neste inverno... se reparar no lado esquerdo da foto, dá pra ver a névoa por cima do córrego dali, foto de Coutinho Mendes

E a "Cidade Limpa" está valendo!

Pois é... chegou o dia "D" e a Lei Cidade Limpa passa a vigorar plenamente hoje! A CMTU (Cia. Municipal de Trânsito e Urbanização) disse que irá fazer as fiscalizações a partir de hoje, considerando que o prazo venceu ontem, dia 2 de agosto, após 1 ano de vigência...
Para quem não estava acompanhando... vale lembrar que a Lei está em vigor desde 2 de agosto do ano passado, sendo um projeto enviado pelo Gabinete do Prefeito e aprovado pela Câmara de Vereadores. Lembrando também que foi bastante discutido com a sociedade civil organizada antes de aprová-lo (quase 1 ano). Porém, a partir do momento que entrou em vigor, colocou prazos de adequações a todas as atividades já existentes: 6 meses para os comerciantes adequarem as fachadas de suas lojas e 1 ano para as empresas de publicidade externa adequarem seus engenhos, vulgo, os outdoors e os totens publicitários. MAS, a ACIL (Associação Comercial e Industrial de Londrina) entrou com uma liminar pedindo equiparação de prazos e, assim, os comércios passaram ter o mesmo prazo que as empresas de publicidade externa (ver post "Importante! Liminar adia Lei Cidade Limpa!").
Continuando... esses prazos terminaram completamente ontem! Será que veremos novamente os adesivos pretos nos letreiros, outdoors e totens irregulares? Provavelmente, sim... (ver post "E 'começou' a Lei Cidade Limpa!")! Pois, segundo um pré-levantamento da própria CMTU, em torno de 20% dos empresários continuaram sem alterar suas atividades!!! Isso é lamentável... pois com todo o esforço que a ACIL fez, todo o prazo que foi dado para se adequarem e, mesmo assim, tem gente que insiste no erro... #fail

Tá certo que a Lei londrinense foi muito mal escrita e copiada do modelo paulistano, que é o pioneiro no país e até ganhou prêmios internacionais, sendo reconhecido mundialmente. Porém, o quê importa aqui é que foi a primeira iniciativa no trato da paisagem urbana de Londrina, através do controle da poluição visual!!! Há inúmeros outros aspectos a serem tratados em conjunto também (ver post "Lei Cidade Limpa: sim ou não?"), mas já é um início... NÉ!?
A Prefeitura entrou com um projeto na Câmara de Vereadores que pretende oferecer desconto no IPTU de 2012 para quem reformar a fachada, porém precisa ser aprovado ainda... Não acredito que enfrente muitas dificuldades por conta do interesse geral da população em ter a cidade mais bonita e bem cuidada, afinal, muitas fachadas estão colocando os usuários em risco, com marquises deterioradas e outros ornamentos "pendurados" (ver post "Importante! Desconto no IPTU para fachadas!").
Enfim... Selecionei algumas imagens de antes e depois que o JL preparou e vemos algumas melhoras já acontecendo nas ruas. Logicamente, muitas fachadas continuam sujas, mal tratadas... feias! Mas, isso só demonstra como que o comerciante cuidava do seu negócio, né? Se o imóvel continuar mal acabado e sujo, é um reflexo de como ele tratará os seus clientes também... ou não? #pensanisso

A Lei vale para toda a cidade e regulamenta padrões para letreiros, outdoors e totens. Apenas a região central está completamente livre de publicidade externa (outdoors e totens publicitários), no resto da cidade pode 2 a cada 110m, limitados a 5m de altura para outdoors e 12m para totens...





 
Na imagem anterior vemos como era este exemplo na av. Saul Elkind. Simplificação de fachadas pode trazer alguns malefícios para a paisagem das ruas, falta tratamento estético com profissionais adequados...








Letreiros e totens indicativos (vulgo, identificação de lojas) são limitados entre 1,5m² a 20m² de área (depende do tamanho das fachadas) e a altura máxima é de 5m...









A foto anterior também mostra como era este outro exemplo na av. Saul Elkind, muitos comerciantes ainda precisam requalificar suas fachadas para voltar a ter atratividade dos consumidores e melhorar o aspecto visual das ruas comercias de Londrina...






Fotos de Roberto Custódio.