sexta-feira, 23 de julho de 2010

Calçadão... saudades ou progresso?

Antes de começar este post, o blog Janela Londrinense pede 1 minuto de silêncio...

1... 2... 3... 60!

Londrina está mais uma vez enterrando sua história... Infelizmente, o famoso e belíssimo desenho do nosso Calçadão está sumindo e dando lugar a uma solução mal resolvida e de gosto muito peculiar, pra não dizer ridícula.

É ridícula em virtude da justificativa esfarrapada dada pelos urbanistas da Prefeitura: "um piso que reflete os povos de Londrina, a cor cinza pelos europeus, a vermelha pelos índios e a amarela pelos orientais!" - O QUÊ??? Tiveram a co-ra-gem e a fal-ta-de-ver-go-nha-na-ca-ra de falar ISSO??? São essas cores porque é as que o fabricante de paver faz, oras!!! Paver é o nome daquele piso novo e o fabricante faz outras cores também, mas essas são as mais comuns.

O projeto do Calçadão da av. Paraná é do escritório do Arquiteto e Urbanista Jaime Lerner (aquele que foi ex-prefeito de Curitiba e ex-governador do Paraná), repare que as antigas luminárias também foram eliminadas








Desculpem o meu excesso de indignação no parágrafo anterior e o drama no começo do post, mas como arquiteto e urbanista que sou não posso admitir um urbanista que passou por um con-cur-so pú-bli-co dizer que a escolha de um material foi com essa justificativa... Na faculdade de Arquitetura e Urbanismo aprendemos uma coisa chamada conceito e partido, que fundamentam os nossos projetos e exercitam a nossa criatividade de uma forma mais clara e responsável com o cliente e com a sociedade. Conceito neste caso seria o quê? "Vamos fazer uma referência aos povos que já ocuparam Londrina!" - e partido seria a solução propriamente dita: "Olha, vi que o fabricante possui essas cores de piso, vamos fazer uma referência aos povos com as cores! E que tal manter o padrão do desenho anterior nessas cores?" - só que no caso do Calçadão, eles optaram pelo piso primeiro e depois inventaram o conceito.

O Calçadão é projeto de 1977, foi o primeiro Calçadão do interior do país e o segundo do Paraná (Curitiba possui o primeiro Calçadão do Brasil), o novo piso não foi feliz ao desrespeitar a história de Londrina, apenas o trecho entre a r. Hugo Cabral e r. Pernambuco foi reformado até agora

















NÉ? Qual o mal aqui? Está apagando a história da cidade por uma justificativa pobre e sem conteúdo. Era melhor dizer que escolheu aquele piso porque quis e ponto final. A questão aqui é muito maior do que apenas uma troca de piso para melhorar a acessibilidade, é a de que o desenho do Calçadão reforça uma imagem do Centro da cidade há mais de 30 anos e já está consolidado na identidade do londrinense com aquela área, o que torna esse padrão como um forte apego emocional dos cidadãos.

O novo desenho não dá pra enxergar o padrão anterior, eles tentaram reproduzir o mesmo padrão com as cores do paver, mas ficou quase impossível de ver. Isso faz com que o nosso Calçadão seja apenas um mero passeio público como qualquer outro em várias cidades do mundo. Nada reforça uma imagem que possa fazer com que o público que utiliza o Calçadão se identifique com aquele espaço e transforme-o em um referencial de identidade do cidadão com a cidade e, assim, a população passaria a admirar e a cuidar daquela área como pertencente a si, afinal, é da população e não de meia dúzia de pessoas da Prefeitura (tudo isso que falei aqui é de um estudo urbanístico muito respeitado no mundo todo que gerou no livro "A imagem da cidade" de Kevin Lynch, nos EUA).

Calçada de concreto margeando as edificações com o piso tátil, o novo piso de paver não evoca uma imagem que possa gerar identidade do cidadão com o local










Isso que nem entrei ainda no mérito da questão do projeto em si, apenas comentei sobre o desastre que eles estão cometendo na história da cidade. Mas para não passar em branco... por que fizeram a fonte que esguicha água da rés-do-chão e a esconderam com os vasos que sobraram do antigo projeto do Calçadão??? E bancos de concreto lisos? Sem nenhuma compensação na sua forma para melhorar o conforto do usuário??? E outra... o termo "revitalização" é errado, é uma "renovação" mesmo - sem ironias aqui, é apenas a classificação que arquitetos e urbanistas usam, há também os termos reuso, reconstrução, requalificação e readequação, e todos são para finalidades diferentes, "renovação" é demolir o antigo e fazer algo novo. E não estão lembrando também de outro símbolo que está sendo apagado: as luminárias em formato de araucárias... #fail

A intenção da fonte é interessante como elemento escultórico em movimento, mas por que escondê-la com os vasos que sobraram???











Só pra não dizer que eu critico e não sugiro, eu faria o seguinte: já que a Prefeitura está disposta a trocar todo o piso, eu retiraria todo o petit-pavet atual, que está mal assentado (por isso fica soltando as pedras), e reassentaria corretamente, porém, margeando as edificações, eu faria uma faixa do piso em paver para atender a acessibilidade das normas técnicas atuais e seria com uma cor neutra para não competir com o desenho das pedras portuguesas (contextualizando... pedra portuguesa é a pedra em si, petit-pavet é o nome dado ao trabalho gráfico com as pedras portuguesas). Assim, estaria modernizando o Calçadão e mantendo a história e a imagem dele com Londrina. E só isso, por enquanto, para não entrar em outros detalhes técnicos, como a drenagem das águas pluviais, compactação do solo, fiação, etc...

Novos bancos sem ergonomia e desconfortáveis













Embora simples, os antigos bancos são mais ergonômicos














Felizmente, após muitos protestos da sociedade e do IAB (Instituto dos Arquitetos do Brasil) e alguns tímidos do CEAL (Clube de Engenharia e Arquitetura de Londrina) e da UEL, a Prefeitura optou por manter o petit-pavet no trecho do Calçadão entre a av. Rio de Janeiro e r. Minas Gerais. Tomaram essa decisão porque neste trecho está o Teatro Ouro Verde, que é um patrimônio histórico de Londrina tombado (ver post "Você sabia? (Teatro Ouro Verde)"), assim, estão dando continuidade a preservação histórica daquela área.

Retirada de quiosques para começar as obras nos outros trechos, essa polêmica merece outro post... a Prefeitura pretende terminar as obras do próximo trecho entre a r. Pernambuco e r. João Cândido até o fim deste ano






O desenho do piso é de autoria do Arquiteto Hely Brêtas, no futuro só será possível admirá-lo no trecho entre a av. Rio de Janeiro e a r. Minas Gerais











Fotos do autor.

11 comentários:

Dafne disse...

Um absurdo isso que fizeram no Calçadão de Londrina! Quando estava morando em Salvador, no primeiro semestre de 2009, a cidade estava passando por um processo parecido, onde a Prefeitura propôs retirar o piso de pedra portuguesa da orla da Barra (que é uma das principais praias e onde fica o Farol da Barra, um dos cartões postais da cidade). A justificativa foi a tal da "acessibilidade" que anda dando muito lucro a fabricantes de piso de cimento por aí.
Lá também houve muitos apelos para que a obra não fosse feita, principalmente pela classe acadêmica e de arquitetos, e plebiscito de "sim" ou "não" para a intervenção...
Bom, mas como aqui, aconteceu a alteração (e descaracterização). O resultado foi que tiraram todo o revestimento de pedra portuguesa e o substituiram por um simples cimentado liso, feio e inexpressivo (não sei em que planeta é uma ótima idéia tirar uma pedra natural devidamente assentada e colocar no lugar paver ou cimentado que dura bem menos, a manutenção tem que ser bem mais constante, fora que a sujeira impregna e não sai nunca mais...). O engraçado (e irônico...) é que Londrina foi muitas vezes citada por lá pelos defensores do piso em pedra portuguesa como bom exemplo de uso e por proporcionar identidade ao Calçadão.
A solução de manter o piso e reexecutá-lo da maneira correta e apenas fazer uma faixa lateral para a acessibilidade, era simples, inteligente e um respeito à história e identidade londrinense. Seria um passo além para a cidade no contexto nacional de intervenções públicas que a colocaria em um patamar acima.

RnKlippel disse...

Nem preciso dizer que não gostei nem um pouco desta reforma do calçadão. Mas queria acrescentar um detalhe sobre a fonte que percebi esses dias passando por lá: ela tem um leve desnível. Ou seja, o ralo (que fica no meio da fonte) não está no ponto mais baixo e a água fica um pouco empoçada.
É incrível como quase tudo que é feito de obra pública aqui em Londrina tem defeitos completamente estúpidos.

Carol disse...

Olá, gostaria do nome certinho do blog e do e-mail para sugestão de pauta. Obrigada

E-mail: carolbrand13@hotmail.com

Marcel disse...

"...não sei em que planeta é uma ótima idéia tirar uma pedra natural devidamente assentada e colocar no lugar paver ou cimentado que dura bem menos, a manutenção tem que ser bem mais constante, fora que a sujeira impregna e não sai nunca mais..."

Muito lembrado isso, Dafne. A pedra portuguesa existe há séculos em cidade européias! Já q tão se propondo a trocar tudo, então, q assentassem direito... acho q tem alguém ganhando RT (reserva técnica) da empresa de paver... Será??? #ficaadica

abelardojunior disse...

Eu quero saber onde esta as pedras que eles arrancaram? E concordo plenamente, as pedras soltam porque é mal assentada.

Parabéns pelo blog.

Roberto Junior disse...

Sei que faço parte de uma minoria, mas eu gostei do novo calçadão, inclusive da estética.
Não vejo muita graça na pedra portuguesa, principalmente a branca, que evidenciava a sujeira do passeio, além do que a terra vermelha da nossa região contribuia para este efeito "sujo". Gostei da mudança.

Marcel disse...

Roberto, a questão nem é a estética do novo piso, mas a desconfiguração e a perda da memória de uma parte tão importante da cidade.

As justificativas eram banais e medíocres pois era possível fazer tudo o q falaram com o petit-pavet... Como a Dafne disse, tem empresa de cimento ganhando muito dinheiro por aí...

E boa questão levantada pelo Abelardo, onde estão as pedras removidas?

Anônimo disse...

onde esta a liberdade de expressão aqui??...enviei um comentário e até agora nada de aparecer...

Marcel disse...

Anônimo,

Teu comentário foi recusado pq não condiz com a verdade, ok? Se o senhor tem 96 anos e está na cidade desde o começo, como disse, vamos relembrar alguns fatos: Londrina possui 77 anos de emancipação e 82 de fundação da primeira "pedra fundamental". Ou seja, vc é um índio idoso muito hype, né?

Outra... seu comentário foi única e exclusivamente tentando difamar o blog sem motivo algum, afinal, todos os meus posts são escritos baseados em fatos históricos e/ou culturais da nossa cidade (coisa q vc tentou desmoralizar). Se isso não fosse verdade, não teria tantos leitores apoiando este espaço e participando com idéias, comentários, etc... fazendo sugestões! Inúmeras personalidades pensantes da cidade tb já apoiaram e participaram do Janela Londrinense, representantes do Poder Público vieram até mim procurando ajuda e oferecendo um "canal aberto" para q eu fizesse as minhas pesquisas sobre os posts... Na real, nem tenho q ficar justificando a importância q este espaço online criou em tão pouco tempo, q mesmo com a baixa frequência de novos posts, os acessos continuam crescendo e ultrapassamos os 70mil na semana passada, mais rapidamente q o recorde anterior (relembrando, mesmo com menos posts).

Resumindo... o seu "comentário", além de desnecessário e invejoso ao considerarmos o teor de suas palavras, demonstra tb uma profunda falta de caráter, afinal, ofendeu e nem teve a coragem de dar as caras... então, sem mais.

Anônimo disse...

SR. Marcel é de extrema importância que comunico ao Sr. as varias ocorrências relatadas contra essa página virtual, fizemos uma profunda busca em seus registros e sobre todo esse conteúdo e foi concluído e identificado nessa página ao qual temos o Sr. como responsável intenções relatadas as decisões dos governantes erradas em relação a cidade, mais precisamente o calçadão de Londrina.
Comunico ao Sr. que dentro de poucos dias estaremos enviando uma notificação aos seus cuidados para que o Sr. seja intimado a comparecer para esclarecimentos.

Chefe de estado maior.
Investigador estadual - Rogério Shuizli Ouda
nº reg. 09785746-09

Sem mais.

Anônimo disse...

O que virou esta intimação? Não entdeni porque você foi intimado, uma vez que vc não disse nenhuma inverdade, nem desrespeitou ninguém ...enfim...o que virou isso?